André AbreuColunas

Cinismo liberal e os verdadeiros sintomas de uma sociedade doente

Por André Abreu*

Há poucos dias, li um artigo publicado na Folha de São Paulo pelo colunista Joel Pinheiro em que o autor alerta para um suposto retorno do stalinismo nas redes sociais e indica essa suposta “volta do stalinismo” como sintoma de uma sociedade que está doente.

Pois bem! Não sou stalinista. Tenho claro para mim que o stalinismo, como um fenômeno histórico, marcou o auge da guinada autoritária na União Soviética, com perseguições inclusive contra líderes históricos da revolução russa – de Bukharin a Trotsky.

Entretanto, não pude deixar de me espantar com tamanho cinismo de um colunista liberal.

Concordo que a sociedade está doente, mas os sintomas são outros. Doente está uma sociedade que permite que aqueles que representam o 1% mais rico somem uma riqueza maior do que os 50% mais pobres. Está doente a sociedade que possui milhares de imóveis vazios enquanto multidões de homens, mulheres e crianças vivem nas ruas, expostas a humilhações. A sociedade que congela os investimentos públicos enquanto os mais pobres morrem sem tratamento porque falta leito hospitalar, faltam os médicos que deveriam ser contratados com dinheiro público. A sociedade em que falta arroz e outros alimentos, para os mais pobres, porque o agronegócio prioriza a exportação em vez de alimentar o nosso povo. Doente é a sociedade que perdoa a dívida dos ricos, das igrejas e das empresas, mas que se recusa a garantir uma renda digna universal e permanente para impedir a humilhação da miséria que a periferia enfrenta todos os dias.

São esses sintomas que não me fazem querer a volta do “antigo normal” e nem a barbárie do “novo normal”. É preciso construir um outro normal, solidário e humano.

Uns dizem que é utopia. Para mim, é questão de justiça.

*André Abreu é professor de Geografia e pesquisador da UFF

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar