ColunasLuiz Araújo

Crise começa a corroer apoio ao governo

Por Luiz Araújo*

Analisei rapidamente as duas pesquisas disponíveis (XP Investimentos e Atlas) até o momento sobre os impactos da crise recente na avaliação do governo Bolsonaro e na economia. Não tenho condições de ajuizar erros ou acertos da metodologia das pesquisas, mas captar indicações e movimentações no humor do brasileiro que elas apresentam.

Apesar de não ser correto comparar pesquisas com prováveis diferenças nas metodologias, como as duas foram feitas no mesmo período, diferenças de resultados chamam a atenção. As duas fizeram a coleta entre 16 e 18 de março de 2020.

Os resultados de avaliação do governo federal mostram resultados contraditórios. A XP captou uma estabilidade de avaliações negativas (ruim e péssimo) em 36%, mas apresenta um crescimento de 2% na avaliação regular e queda na avaliação positiva (bom e ótimo) de 4%. Contudo, essa avaliação positiva continua na casa de 30%.A Atlas apresenta um crescimento da avaliação negativa (de 38% para 41%) e uma queda na avaliação positiva (de 29% para 26%) e crescimento do regular (de 31% para 33%).

De qualquer forma as duas apresentam um impacto negativo para o governo. Normalmente uma pessoa que considera positivo não migra direto para o negativo. Então, usando as duas, podemos dizer que o governo perdeu 4% de apoio até o momento. É uma tendência de queda e que havia sido estancada no meio do ano passado quando chegou ao patamar de 30%.

O que levou a essa primeira queda? Os dados das duas pesquisas dão indicações e como são fenômenos que tendem a se agravar, podem induzir uma previsão de continuidade da queda. É verdade que não houve divulgação de perguntas diretas sobre a migração, mas os dados a seguir mostram caminhos para explicar a queda.Em primeiro lugar, o lento crescimento do otimismo com a economia sofreu drástica reversão. O sentimento é de que a vida vai piorar, vamos ter recessão e seus efeitos vão alcançar os entrevistados. A Pesquisa XP encontrou queda de 47% para 38% na expectativa positiva e uma expectativa de 76% de que serão atingidos pela crise. A Atlas achou 49,7% afirmando que vai piorar diante de 28,3% anteriores. Encontrou certeza de recessão em 57% dos entrevistados.

Em segundo lugar, sobre o combate a pandemia as pesquisas são divergentes. A XP apresenta uma avaliação sobre condução do governo que não é tão ruim como pode parecer ao senso comum. Temos 40% considerando boa a conduta do governo, sendo um pouco melhor o do ministro da saúde e um pouco pior a do ministro da economia. Uma minoria acha péssima a ação do governo.

Contudo a pesquisa Atlas, perguntando direto se a população aprova ou não o plano de combate, a resposta foi de 64% de desaprovação. Lembro que foi somente após a coleta e de forma tardia que o governo começou de forma ostensiva, inclusive com participação do presidente, a apresentar medidas econômicas para a crise. Talvez seja um problema no formato de como as perguntas foram formuladas.

Temos também dados mostrando rejeição a manutenção de manifestações de rua do dia 15, mas não houve perguntas diretas sobre a participação do presidente, podendo se deduzir que parte do comportamento captou tal atitude, mas difícil de mensurar o quanto de conhecimento do fato estava evidente nos dias seguintes a referida participação.

A pesquisa Atlas perguntou sobre o impeachment. O resultado é coerente com o resultado encontrado sobre avaliação negativa e positiva. Cresceu 6% o apoio a medida.

Resumindo:

Há dados de queda da popularidade do governo Bolsonaro, motivadas pela piora das expectativas com a economia e com os efeitos concretos da crise na vida das pessoas. Quatro pontos de queda em um mês é um fenômeno significativo, mas ainda não pode ser afirmado que é uma reversão da estabilidade alcançada no segundo semestre do ano passado.

Como o elemento aparentemente detonador mais claro é a crise econômica e a expectativa é de piora para o próximo período (infelizmente é mais do que uma simples expectativa), a tendência de que a população culpe o governo pelos efeitos (desemprego, redução de renda etc.) é bastante forte. É lógico que políticas governamentais que minimizem a crise econômica podem frear tal desgaste, mas dificilmente revertê-lo.

Até agora as pesquisas não captaram diretamente um desgaste associado a condução especifica do enfrentamento a pandemia, sendo os resultados das duas pesquisas inconclusivos. Há, porém, uma evidência que contraria o quadro geral: a aceitação dos governadores melhorou, caindo a negativa de 31% para 27% e a positiva subindo de 23% para 26%. Talvez a postura de alguns governadores de tomar medidas proativas explique tal melhora. O que pode nos levar a encarar que uma boa condução da crise sanitária pode recuperar pontos do governo federal (ou piorar a situação diante do agravamento da crise).

Não dá para afirmar ainda que o governo se encontra em isolamento, como o senso comum na esquerda tem afirmado a partir dos panelaços, mas podemos afirmar que mantendo a atitude atual sobre o combate ao vírus, a crise se aprofundando e as previsões desastrosas no campo da economia acontecendo, uma piora mais significativa que diminua o percentual de apoio, caindo do patamar histórico de 30% é algo provável.

O crescimento mais acelerado do desgaste e um clima de insatisfação contínuo pode colocar, a médio prazo, o impeachment na ordem do dia. Não é o caso agora. Sem esse derretimento não teremos migração do centro de sua base de apoio.

Texto retirado do blog: https://rluizaraujo.blogspot.com/2020/03/crise-comeca-corroer-apoio-ao-governo.html

*Luiz Araújo é Professor da Faculdade de Educação – UnB

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Fechar