NotíciasRio de Janeiro

Sangue do Rio de Janeiro

Da Redação

‘Os cadáveres desses jovens estão no colo dos direitos humanos’, afirmou Witzel, defendendo o abate de quem porta fuzil. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), culpou nesta sexta-feira (16), os ‘defensores de direitos humanos’ pelos assassinatos de pelo menos seis jovens esta semana.

‘Então, está na sua conta, defensor dos direitos humanos. Esses cadáveres desses jovens não estão no meu colo. Estão no colo de vocês, que não deixam que as polícias façam o trabalho que tem que ser feito’, ainda teve a coragem de vomitar essa frase.

O governador também questionou a autenticidade de cartas enviadas por crianças da Maré que mostram cenas de violência. Mais de 1,5 mil cartas de moradores da Maré foram entregues à justiça estadual na segunda-feira (12). A ação foi idealizada pela Redes da Maré – cobrando que o Tribunal de Justiça (TJRJ) reavaliasse o arquivamento do processo que estabeleceu medidas para proteger a população do conjunto de favelas.

Carta enviada por criança da Maré ao TJRJ, sobre operações policiais – Redes da Maré/Divulgação

Witzel passou de todos os limites do razoável e está em um linha de atuação fascista. Já deu ordens de mirar na cabecinha, já participou de uma operação com helicóptero atirando na favela, antes dessas mortes deu mais uma declaração inaceitável: ‘Não sai de fuzil na rua, troca por uma bíblia. Se você sair, nós vamos te matar’. O detalhe é que Dyogo saiu de chuteira, Rodrigo saiu de guarda-chuva, Gabriel saiu de caderno, João saiu de furadeira e Margareth saiu com o filho e todos foram assassinados pela PMERJ.

Governador, está na sua conta, sim, assuma esses corpos e o sangue que você derrama em nome de tentar controlar territórios que o Estado abandonou por muitos anos. Witzel, você é um sanguinário doentio e tenta culpar os outros pelo assassinato de tantos jovens negros, inocentes e das periferias do Rio.

Witzel, responda a quem interessa a sua política de segurança pública? Você utiliza a PM para tomar territórios e entregar para a milícia?

O Estado está matando nossos jovens, matando nosso futuro, sonhos e expectativas a troco de que?  Já está provado a falência dessa política de guerra às drogas, que na verdade é a política de guerra aos jovens negros e favelados.

Nós não acreditamos na sua tentativa de inversão de valores e continuaremos defendendo os direitos humanos e a vida.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar