BrasilNotícias

Fogo no laranjal

Da redação

A semana foi marcada por uma série de áudios vazados pelo, agora, ex-ministro Gustavo Bebianno. Ontem, quarta-feira, Bolsonaro e Lorenzoni, seu ministro chefe da casa civil, nos brindaram com mais um vazamento. Ambos discutem o tratamento a ser dado a Bebianno para que interrompa sua movimentação de exposição do Governo.

O bate-cabeça do governo criou um mal-estar entre seus apoiadores e a imprensa chapa branca, que já aqui e ali começa a expor relatos de “fontes” do mercado e dos militares sobre um possível plano b, na hipótese da crise de legitimidade do governo se acelerar.

A instabilidade de Bolsonaro, o caráter explosivo de Carlos (o zero 2), as denúncias de corrupção de Flávio são aspectos que já são colocados na balança frente ao caráter folclórico e popular da figura do mito, vencedor das eleições.

Os áudios vazados também expuseram a divergência palaciana entre o clã Bolsonaro e a Rede Globo. O que, a princípio, nos faz crer que os ataques da Globo a Bolsonaro não são jogo de cena ou pressão superficial para buscar um melhor posicionando no quinhão das verbas de propaganda do governo federal. De fato, há uma disputa por hegemonia.

Tudo isso se soma a falta de articulação do governo, que, num episódio patético, viu seu projeto de restrição a acesso a dados, via lei de Acesso a Informação, derrotado. Uma aula desarticulação que apavorou “os mercados”.

O governo aposta que a apresentação do texto da reforma da previdência poderá tirar o foco da opinião pública das suas confusões e deslocar o “mercado” para uma defesa incontestável de Bolsonaro. Esse cenário ainda parece o mais provável, isto se considerarmos que Bolsonaro ainda conta com significativo apoio entre seus eleitores e o que importa para o mercado mesmo é a Reforma da Previdência.

O “Mercado” sabe que não é possível aprovar uma reforma que retira tantos direitos sem que haja um líder provado nas urnas capaz de reivindica-la. Enquanto uma solução mais segura não se viabiliza o jeito é garantir estabilidade a Bolsonaro mesmo.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Fechar