Maykon Santos

Boas e más notícias em relação à Balança Comercial brasileira em 2018

Por Maykon Santos*

Em 2018 o Brasil teve o segundo maior superávit na Balança Comercial de sua história, acumulando um saldo positivo de U$ 58,6 bilhões. Se usarmos como referência a cotação do dólar em 31/12/2018, que foi de R$ 3,87, isso significa R$ 227 milhões.

O maior resultado da história foi em 2017 com U$ 67 bilhões.

Os três maiores parceiros comerciais do Brasil continuam sendo China, EUA e Argentina, como já há alguns anos. Cabe destacar que a China ultrapassou os EUA como maior parceiro comercial do Brasil há 10 anos.

O principal destaque é o crescimento das transações do Brasil com a China.Em 2018 a movimentação comercial entre os países foi de U$ 98 bilhões, com um saldo comercial positivo para o Brasil de U$ 30 bilhões.

É o maior saldo comercial em volumes gerais (importação e exportação) e em superávit para o Brasil da história. Como também o maior crescimento de superávit entre anos.

Em 2017 o superávit foi de U$ 20,2 bilhões. Em 2018 os já citados U$ 30 bilhões.

Destacamos que entre 2017 e 2018 o superávit da Balança Comercial brasileira caiu.

Para se ter uma ideia, o total de movimentação da Balança Comercial brasileira foi de U$ 421 bilhões. Somente a China representou 23% do total.

O segundo maior parceiro comercial, EUA, teve como total de Balança Comercial U$ 57 bilhões, com um déficit para o Brasil de U$ 200 milhões.

Mais. A China corresponde a 53% do superávit em nossa Balança Comercial em 2018. Em 2017 foi responsável por 31%.

Nos últimos 10 anos as exportações para a China triplicaram, passando de U$ 22 bilhões em 2009 para U$ 67 bilhões em 2018.

Ou seja, os interesses dos dois países estão cada vez mais ligados devido ao comércio.

A bancada do PSL no Brasil vocifera contra o comunismo e foi pra China sorridente devido a isso.

O tipo de produtos comercializados entre Brasil e China reflete a economia brasileira frente ao mundo.

86% do que exportamos para a China são produtos primários. E 98% do que importamos são produtos manufaturados.

Os três principais produtos que exportamos para a China são também os três que ocupam o topo do que mais exportamos.

Soja. Para a China representam 43% das exportações. No geral são 11,5%.

Minério de ferro. São 17% das exportações para a China e 9,4% para o mundo.

Petróleo. 22% para a China. 8,8% para o mundo.

Ou seja, o crescimento das exportações de produtos básicos e a queda das exportações de produtos manufaturados tem sido a tônica na Balança Comercial brasileira.

Em 1999 os produtos primários representavam 20% das nossas exportações. Hoje representam 50%. Já os manufaturados eram 59% em 1999 e hoje são 36%. Reflexos da desindustrialização brasileira desde o começo dos anos 1990.

*Maykon Santos é professor das redes públicas municipais de Cubatão e Santos, historiador, militante do Círculo Palmarino e do PSOL e em defesa da educação pública de qualidade. Autor da página Professor Maykon Santos no Facebook.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Fechar